quarta-feira, 22 de junho de 2011

Vergonha ítalo-brasileira!

Meu avô Carmini Nani- o calabrês.
      Quando meu avô paterno Carmini Nani deixou a cidade de Áquila, na Itália e emigrou para o Brasil, certamente além do  espírito  aventureiro e desbravador, ao desembarcar nessa terra estranha, trouxe na bagagem além  de muita vontade de vencer, o coração repleto de esperança.





     Ao ver fotos amareladas do desembarque no porto de Santos, imagino a adrenalina que correra pelas veias do meu avô.


     Me transporto àqueles tempos, e vejo-me agora ao lado do meu pai Agostinho...


     Relembrando cenas de fim de tarde  sentados à beira do terreiro de café, chego a sentir o cheiro do suor dele misturado ao cheiro do café recém colhido espalhado no terreiro! 


     Não cheguei a conhecer meu avô pessoalmente. Deixou oito filhos. Apesar de simples lavrador, como meu pai, orientou cada um deles, para a música. Todos tocavam algum instrumento musical. Meu pai tocou acordeon dos oito, aos oitenta e seis anos. 
Meus avós maternos família Alvarenga.

     O orgulho que sinto em relatar esses fatos, me concede licença para afirmar que o esforço do calabrês Carmini Nani e minha avó,albanesa,  Isabel Spadaphora Nani não foram em vão. Orgulho-me dos meus irmãos. Orgulho-me dos meus filhos e netos. Honra-me sentir nas veias, o sangue dos meus antepassados italianos!
Meus pais Agostinho Nani e Maria Carmem Alvarenga.

    Envergonho-me no entanto, quando outros descendentes esqueceram as virtudes dos imigrantes.

    O País inteiro sentiu-se envergonhado com a atitude do Governo, no caso recente do assassino Cesare Battisti . Como pode, um semi-analfabeto decidir em lugar da mais alta magistratura? Como uma ex-primeira dama, portadora de título de cidadania italiana, se olhará no espelho? Com que cara visitará a Itália?

    Espero que meus conterrâneos consigam não só boicotar a Copa de 2014, mas se possível, influenciar a Comunidade Européia a fazer o mesmo!  Só assim, essa nossa terra ainda estranha, se tornará digna do respeito  que todos nós, brasileiros, merecemos!

 
   " Chi bene incomincia è a metà dellòpera" = Um começo bem feito é meio caminho andado.

   "A buon intenditor poche parole"=  Para bom entendedor, meia palavra basta.

    

     

2 comentários:

  1. Dr. Nani, tudo bem? Vou falar um pouquinho do meu avo, nasceu, viveu e morreu aos 72 anos, ele sempre me disse que eu passaria por esta terra - Brasil e que nada mudaria, so aumentaria os impostos que e o caixa para sustentar a corrupcao dos nossos mega ladroes-politicos brasileiros. As leis sao feitas para protege-los, o povo sozinho nao tem forca e o pior, o povo nao tem cultura para impor nada. Nao se esqueca que somos minoria. Ate quando vamos aguentar sem poder fazer nada??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A verdade é que hoje vemos os bandidos serem bem recebidos no Brasil, enquanto decentes trabalhadores haitianos são barrados na nossa fronteira.
      Seria o caso dos haitianos voltarem à sua pátria, assassinar uns conterrâneos, aí então seriam recebidos com tapete vermelho? Estamos sempre na contra-mão da história?

      Excluir

Seu comentário é o que torna especial esta postagem. Enriquece extraordinariamente o conteúdo!
Lembrando Saint Éxupery:"Aqueles que passam por nós, não vão sós. Não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós".
Obrigado pela visita!
Abraços!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. AVISO LEGAL Todos os direitos reservados. Esta coletânea de textos e imagens são propriedades do autor e estão protegidos por direitos de propriedade intelectual, que não podem ser utilizados em qualquer meio ou formato sem a autorização do autor. Vitorio Nani - 12/06/2010.