sexta-feira, 10 de julho de 2015

"Pobre e Velho Coração"!


Fui encontrado Aqui

     Há uma ferida invisível encravada em mim!



     Eu não vejo onde ela  está, mas sinto  bem onde ela dói; quando dói; porque dói!

     Já completou maioridade, mas, leviana,  finge inocência. Mormente quando estou feliz!

     Basta um átomo de agrado e ela parece minguar.  Se apequena tão intensamente, que penso que
atrofiou, cicatrizou!

     E na minha ferrenha ingenuidade, vivo tempos de euforia!
 
     Por dias, meses e até anos,  minha alma canta feliz!  Ri, dança e ama incondicionalmente!

     E no auge do meu imprudente festim, grogue de  felicidade, meu coração indefeso se  expõe de tanto contentamento!

     Vem então um ataque fulminante, e basta! A lesão agora reanimada, lateja descompassada!

     O inspirar profundo comprime meu coração, que explode reduzido em choro tragado!

     Tento reconhecer pela silhueta o agente provocador que sorrateiro, parte! Cruel ironia!

     É o mesmo que ontem, gentil, adoçou meus lábios; vicejou minha alma;  medicou a lesão!

     Hoje, com igual devoção, arranca de súbito a bandagem curativa; provoca nova hemorragia!

     Sinto agora nos lábios, o gosto salgado da dor!

     Até quando resistir, pobre e velho coração?

    Esta canção poderá enriquecer o texto    

    " Com as lágrimas do tempo e a cal do meu dia eu fiz o cimento da minha poesia". Vinicius de Moraes.    

45 comentários:

  1. Olá Vitor,seu texto nos revela a dor da perda de um amor que deixou
    o coração ferido e que muitas vezes cicatriza,mas outras persiste novamente
    tendo essa hemorragia e provocando profunda dor.
    Maria Bethania,fala tudo nesse grito de alerta.
    Gostei muito.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Carmem!
      Há certas feridas que mal começam a cicatrizar e vem nova agressão e sangra de novo!
      Grande abraço e bom fim de semana!

      Excluir
  2. Eu adorei essa postagem! Porque, por mais que não queiramos, tentemos fugir, esse agrado que sana a dor e o mesmo que a faz sangrar muitas vezes... Esses corações, pobres e velhos, são verdadeiras fontes de pura poesia!
    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Ana Paula!
      Quem morde, volta e assopra.
      Beijo!

      Excluir
  3. Amigo, essa letra e música inspira, pois é mesmo assim, muitas vezes nem adianta insistir em um sentimento assim, haja coração né mesmo?
    Amei ler seu belo poema/texto, mostrando a dor que é nos iludirmos, pois a desilusão dói, machuca, sangra o coração e o pior, muitas vezes se volta a acreditar, reabre a ferida,aí,ai!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ivone!
      Parece que nunca vai cicatrizar. Não dá tempo!
      Abraços apertados!

      Excluir
  4. Hola Vitor, aunque muy triste me encanta este post. Un abrazo muy muy grande querido amigo. Se muy feliz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hola, Lola!
      Gracias por tus palabras!
      Sé muy feliz usted también!
      Abrazos!

      Excluir
  5. Triste e lindo e feridas nem bem curadas podem se abrir novamente! abraços,chica

    ResponderExcluir
  6. UFFFFF UN TEXTO QUE DUELE!!!
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  7. GRACIAS POR TU VISITA Y LOS ELOGIOS ES UN PLACER ...TU BLOG MUY BELLO ESCRITO
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  8. Brilhante e deveras emocionante seu texto poético Vitor
    E o tolo coração se esquece por algum tempo das feridas mas basta uma palavra mal colocada e ele sangra novamente
    Tem feridas que nunca cicatrizam meu amigo. Belíssimo!!!
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderExcluir
    Respostas

    1. Até que se deixá-la em paz, talvez possa cicatrizar!
      Mas, é preciso perder o medo de ser feliz.
      Abraço e boa semana, Gracita!

      Excluir
  9. OI VITOR!
    LINDA E RICA EM SENSIBILIDADE.
    ABRÇS
    -http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Zilani Célia!
      Um pouco triste, mas comum!
      Abraços!

      Excluir
  10. Tem feridas que nunca cicatrizam; mas cabe a nós mesmos
    buscar um caminho de tranquilidade; não tem jeito.
    Belo texto regado de poesias e verdades.
    Prazer em conhecer o blog.
    Janicce.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Janicce!
      Buscar um caminho nem sempre luminoso, certo?
      Abraços!

      Excluir
  11. Oi, Vitorio!
    Acho que todos nós temos uma mágoa não curada que às vezes sangra.
    O diferencial foi que você expôs e conseguiu explicar de tal forma que a sua dor também passou a ser minha.
    Beijus,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luma!
      Depende do tamanho e do espaço que essa mágoa ocupa em nós!
      Não tive a intenção de incomodá-la.
      Beijus!

      Excluir
  12. Olá Vitor!
    Andei um pouco ausente por isso a demora em chegar aqui.
    Gostei muito da forma que você escreveu teu texto.
    Dor no coração. Tristeza da alma.
    Tem aqueles momentos na vida da gente que de repente acorda de um sono profundo...
    Não dá pra explicar a dor que vem no coração, só a gente sente, não existe porta de saída, parece que estamos presos com aquilo nos sufocando.
    É como se houvesse uma doença física. Você passa por algumas semanas e pensa: Oh, eu estou bem, me sinto melhor e, de repente, do nada , ela vem de novo. A parte mais difícil é quando esta dor vai embora. Isto te traz uma série de questões que podem te fazer se sentir um fracasso ou como se houvesse algo de errado com você. Você não pode fugir de si mesmo e tem de lidar com isto. A vezes penso que nosso coração é um gigante, porque sempre estamos acumulando sentimentos em cima dele. Rsrsrs.
    Gosto muito da Maria Bethânia. Excelente escolha!
    Um beijo embrulhado num abraço!
    Ótima semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Smareis!
      É que o coração vai ficando tão cansado de apanhar, que fica meio durão e quase insensível. Se acomoda e tenta viver feliz assim mesmo, remendado. É quando chega a ficar como você disse "um gigante"!
      Um beijão e ótima semana!

      Excluir
  13. Son las cosas del corazón que todos comprendemos y puedo asegurar que la vida le da al corazón muchos motivos para el dolor pero también, como tú dices, para volver a sentirnos felices y olvidar los malos momentos. La única cosa que cabría decirle a nuestro corazón es que no se hiciera preguntas mientras pueda ser feliz pero que tampoco se haga ilusiones de que eso va a ser para siempre.

    Cuídate mucho ese corazón sensible. Un abrazo. Franziska

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ciertamente, Franziska, hay que procurar que el sufrimiento no se perpetúa en nuestros corazones.
      Abrazos!

      Excluir
  14. Olá Vitor,obrigada pela visita e palavras deixadas em meu blog.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  15. Estou começando agradecer o carinho
    deixado no meu blog.
    Foi e esta muito importante para mim ,é nessa hora que sabemos
    o bem que nos faz A verdadeira amizade.
    Depois de uma dolorosa espera finalmente fui operada
    a 20 dias e na medido do possível esta indo tudo bem.
    Foi muita espera para quem paga plano de saúde
    na hora do atendimento sofremos para autorizar uma seria cirurgia.
    Durante anos sentindo dor e uma Sensação de abandono,
    e descaso total.
    Agora vem a espera da Biópsia que
    também me deixa pensativa e ansiosa .
    Mas sempre firme na fé a espera de dias melhores.
    Agradeço seu carinho esta sendo muito importante para mim
    nesse momento onde o amor faz verdadeiros milgres.
    A amizade verdadeira nos conduz a esperança.
    Deus abençoe sua vida carinhosamente.

    Evanir.

    ResponderExcluir
  16. Vitor.
    Que vida atribulada pela esperança, dor e fim
    Você me emocionou...
    Beijos no coração
    Dorli

    ResponderExcluir
  17. Boa tarde Vitor.
    A dor a pessoas que amamos é a mais dificil de ser curada, pois por amar damos espaço para ser novamente magoados. Emocionante texto poético. Um feliz dia. Beijos.

    ResponderExcluir
  18. E você tem razão, Mirtes.
    Magoamos sempre as que amamos e estão mais próximas.
    Feliz dia.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  19. Há dores que ficam adormecidas no nosso coração mas que nunca passam realmente, e por vezes, do nada, elas voltam para dilacerar a nossa alma.
    Nostálgico e belo.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essas dores são as dores crônicas, Maria!
      Beijos!

      Excluir
  20. A dor do coração é uma dor diferente. É uma dor muito intensa. Mas como tudo na vida, passa!...
    AbraçO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Passa, mas deixa sequelas, Nidja!
      Abraço.

      Excluir
  21. "arranca de súbito a bandagem curativa; provoca nova hemorragia!", incrível, à medida que lia teu poema, envolvido nas tramas das palavras, os sentimentos que descrevia, como uma imaginação ativa estava eu lá, sendo o coração partido, rastejando por anos de uma saudade impossível de acabar ou aproximar...e passa o tmepo, passou muito tempo, e algo sempre pulsando até aquietar, mas que pode ciomo um vulcão adormecido por milhões de anos, explodir, e meu coração morrer de hemorragia. Meu caro divaguei, mas trouxe-me profundas lembranças este poema, e cicatrizes que às vezes tenho a impressão que não estão completamente cicatrizadas.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas

    1. Seu rico comentário valorizou a postagem, Jair!
      Obrigado e abraços!

      Excluir
  22. Linda e tocante poesia. O vaivém dos sentires num átimo de riso do amor. Luz e paz. Abs

    ResponderExcluir
  23. Versos doridos, o coração e vulnerável à recidiva, ora está feliz, ora chora. Como disse William Blake: "sinais de fraqueza e sinais de dor."

    Deixo o link do selo de seguidor, caso aceite, será uma honra.

    Saudações poéticas Vitor!

    ResponderExcluir
  24. http://3.bp.blogspot.com/-GJI_qR0ZEgs/VX187J1D80I/AAAAAAAAATw/0_GJ1ysb6yM/s1600/seloagradec.jpg

    ResponderExcluir
  25. Olá, meu querido!

    Sabe que eu não sou bruxa, nem cartomante, mas sou mulher com algum feeling, mas posso falhar, aliás, já tenho falhado.

    Esse texto é mesmo "UM GRITO DE ALERTA", mas parece que falou para alguém surdo ou que se finge surdo.

    Imagine um palco, onde é representada uma peça em 2/3 atos e em que os atores/atrizes têm de fazer determinados papeis, mas depois, os esquecem, como é natural, ou será que o que aconteceu no palco pode passar a ser realidade?

    Todas as dores têm cura ou atenuantes. As da lama, também, qdo bem geridas, contudo por vezes ou mtas vezes, temos mesmo que pôr um ponto final no assunto e voar, mesmo que já não tenhamos as asas como dantes. Outono e inverno dentro de nós, é que não. Podemos encontrar facilmente primaveras e verões tórridos, sem cariz obrigatório, oficial, mas sério.

    Penso que entendi aquilo que quis transmitir, embora surjam mtas meias palavras (pudera, não as pode dizer por inteiro), mas este post pode, no mínimo, se identificar com duas situações, uma passada, que continua atiçando e doendo e outra presente, que se preza e estima, mas era bom que fosse pretérito, amigavelmente. Vítor nem toda a gente tem essa capacidade de desligar, de deixar aquilo ou quem considera sua "propriedade".

    Como dizia Camões, "Amor é estar preso por vontade" e não por questões familiares, sociedade, críticas, disse que disse, etc.

    Espero que a porta entreaberta, se abra, de vez. Está na hora!

    Um beijo com mta amizade e cumplicidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Céu, mas são momentos que de vez em quando nos perturbam!
      Beijão!

      Excluir

Seu comentário é o que torna especial esta postagem. Enriquece extraordinariamente o conteúdo!
Lembrando Saint Éxupery:"Aqueles que passam por nós, não vão sós. Não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós".
Obrigado pela visita!
Abraços!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. AVISO LEGAL Todos os direitos reservados. Esta coletânea de textos e imagens são propriedades do autor e estão protegidos por direitos de propriedade intelectual, que não podem ser utilizados em qualquer meio ou formato sem a autorização do autor. Vitorio Nani - 12/06/2010.