quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Dos Livros da Infância - Blogagem Coletiva.



     Na minha infância, desde a mais tenra idade, o interesse pela leitura foi despertado pelo meu pai, que sob a luz de um lampião,  muitas fábulas de Esopo e La Fontaine, entre elas:  O Lobo e o Cordeiro, A Raposa e as Uvas, A Cigarra e a Formiga...eram lidas por ele,  tantas vezes, quanto fossem os pedidos dos filhos!  Criança nunca se cansa de ouvir sempre a mesma história!


     Quando já alfabetizado  no meu Grupo Escolar,  ganhava livros por mérito pelo melhor trabalho realizado  sobre um tema proposto pela professora, quase sempre em comemoração a datas significativas da nossa história - Independência, Lei Áurea, Inconfidência Mineira...

     Tendo nascido e vivido muitos anos no município de Taubaté, cidade natal de Monteiro Lobato, grande parte das escolas priorizava o escritor taubateano, claro!


     Dos muitos livros que li na minha infância, um,  marcou muito aquele tempo:  Jeca Tatu  de Monteiro Lobato.

     Muito mais que um livro, sua história denunciava a vida do caipira que vivia desanimado,  indolente, preguiçoso,  no Interior do país, engajado numa agricultura de subsistência.

     Sem cuidados com sua própria saúde, o agricultor não se protegia adequadamente contra as doenças que adquiria em contato com o ambiente hostil do campo.

     A falta de saneamento básico,  denunciada nos livros de Monteiro Lobato, ainda afeta a saúde de muitos brasileiros nesse século XXI, tanto no campo, como nas grandes cidades!

     Com esta postagem, estou participando da Blogagem Coletiva "Livros que marcaram a Infância", organizado por Sybylla,  do blog Momentum Saga.

     Participe também, clique no link do blog da Sybylla.

     "Quem mal lê,  mal ouve,  mal fala, mal vê".

     "Um país se faz com homens e livros". Monteiro Lobato.
  •     

16 comentários:

  1. Na minha infância li muita coisa, mas o que mais me encantou foi Monteiro Lobato; nenhum livro em especial, mas todos que chegaram às minhas mãos, inclusive Jeca Tatu. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu tenho ainda hoje, bem velhinho, Cidades Mortas, do Monteiro Lobato.
      Nós, taubateanos, nos orgulhamos muito do conterrâneo.
      Abraços!

      Excluir
  2. Oi, Vitório!
    Por gerações, Monteiro Lobato é quase uma unanimidade! :D
    A minha mãe leu a história do Jeca Tatu para nos amedrontando para o perigo de não usar calçados. Até hoje tenho uma dúvisa, o Jeca Tatu do Mazzaropi é o mesmo do Monteiro Lobato?
    Boa blogagem!!
    Beijus,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Luma!
      O Mazzaropi, que nasceu também em Taubaté, que aproveitou o personagem criado por Monteiro Lobato,
      por retratar o caipira ingênuo e que se tornou a marca do genial artista em seus filmes!
      Beijos!

      Excluir
  3. Ler é tão bom, pena que ainda não são todas as crianças que tem acesso a leitura.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O governo brasileiro, que para incentivar o consumo de carros, reduz impostos, bem poderia
      estimular a leitura diminuindo também os dos livros e revistas.
      Aí teríamos um povo mais culto, o que não interessa aos políticos!
      Abraços!

      Excluir
  4. A leitura entre os pequenos é importantíssima!!!Trabalho com um projeto estadual de leitura por aqui.abraços carinhosos meus.

    ResponderExcluir
  5. Lia!
    Ainda são poucos como você que se engajam em projetos de leitura em nosso país.
    Parabéns, pela iniciativa!
    Forte abraço!

    ResponderExcluir
  6. Ótima lembrança... aliás, Monteiro Lobato é inesquecível!
    Faço assim: veio aqui em casa, gostou do livro, levou!
    Melhor maneira de fazer a juventude se engajar na leitura... sentir o livro na mão... e na emoção!

    Beijo e obrigada pela visita (ainda que silenciosa).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pela visita, Teca!
      Ainda voltarei lá com mais tempo e sentarei para uma boa prosa!
      Beijo e boa semana!

      Excluir
  7. Adorei a ideia da "Blogagem Coletiva". :)
    Ah, se todos os pais incentivassem a leitura bem como a escola, teríamos um país bem melhor.

    Beijos,
    Nina & Suas Letras

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Janaína,essa BC tem muito a ver com quem gosta de ler.
      Eu já encomendei o livro A vida na porta da geladeira, por sugestão sua.
      O gosto pela leitura deve sempre ser despertado em casa, creio.
      Beijos!

      Excluir
  8. Nossa, adorei sua postagem!
    Eu também gostava muito das fábulas, e Monteiro Lobato foi o primeiro escritor com o qual tive contato depois de alfabetizada.
    Que legal seu pai ler e incentivar a leitura. Aqui em casa era minha mãe que lia para mim, até que eu me alfabetizei e pude ler tudo o que queria, na hora em que quisesse, ehehhe.
    E essa Blogagem Coletiva foi maravilhosa, incentivando este gostinho de infância e doces reminiscências.
    Obrigada pela visitinha ao meu blog, agora vou ficar um tempinho por aqui conhecendo o seu.
    Abraços
    Mari

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mari!
      As visitas sempre nos agradam, não e mesmo?
      Voltarei para uma visita mais demorada, prometo!
      Abraços e boa semana!

      Excluir
  9. Siempre es bueno crecer con libros, y cuando eres pequeño más. Porque eso va marcando tener una vida mejo.
    Vitornani, Saludos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Crecer con libros crece mejor, con seguridad, Cristina.
      Pude vivirlo!
      Abrazos.

      Excluir

Seu comentário é o que torna especial esta postagem. Enriquece sobremaneira o conteúdo!
Lembrando Saint Éxupery:"Aqueles que passam por nós, não vão sós. Não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós".
Obrigado pela visita!
Abraços!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. AVISO LEGAL Todos os direitos reservados. Esta coletânea de textos e imagens são propriedades do autor e estão protegidos por direitos de propriedade intelectual, que não podem ser utilizados em qualquer meio ou formato sem a autorização do autor. Vitorio Nani - 12/06/2010.