domingo, 18 de julho de 2010

Raposas sorrateiras

   Quando se tem sessenta e quatro anos, às vezes, somos obrigados a voltar no tempo, para tentar explicar aos mais jovens,  como foram os anos de nossa juventude!

   Não entendo muito de política, nem de economia.

  Meu fisioterapeuta Matheus,  jovem de menos de 30 anos, me fez uma pergunta. "-Como estaria o Brasil hoje, se os militares não tivessem tomado o poder em 1964"?

  Voltei no passado para tentar responder sob o meu ponto de vista:

  No dia 31 de março de 1964, eu era recruta no honroso 6o Regimento de Infantaria -  Regimento Ipiranga, em Caçapava-SP.

  Como aluno do Curso de Cabos, e com a falta de profissionais na tropa, substituíamos,  para efeito de composição nas vagas de Terceiros Sargentos - Comandantes de Grupos de Infantaria.

  Assim, na manhã do dia 31 de Março de 1964, nas funções de Comandante do Primeiro Grupo, do Primeiro Pelotão, da Primeira Companhia de Fuzileiros do 6o RI, fui o primeiro a embarcar equipado para um combate, que felizmente não aconteceu.

  Ao retornarmos dos limites dos estados de São Paulo com o Rio de Janeiro, na cidade de Queluz, não imaginávamos o quão perto havíamos chegado de um confronto com nossos irmãos brasileiros do Rio.  Permanecemos quase seis meses aquartelados, de prontidão!

 O que se seguiu após esse episodio, dá arrepio em lembrar; ao imaginar como seria o Brasil hoje.

 Montávamos guarda numa fazenda nos arredores de Taubaté, onde centenas de caminhões, tratores e viaturas do tipo C14,  todos  nas cores verde e amarelo, trazendo um logo no qual se lia SUPRA (Superintendência de Política Agrária) uma foice e um martelo em vermelho, circundados por ramos de trigo.

  Assim, respondendo à pergunta formulada pelo amigo Matheus: "Não sei como estaríamos hoje, sem o Etanol, sem Itaipu, sem a Ponte Rio-Niterói, sem as modernas rodovias de São Paulo...Creio  que seríamos  no máximo, uma enorme Bolívia"!

  "Nós queremos um regime que não seja apenas da raposa,  queremos um regime da raposa e da galinha, onde existam espaços para os dois". Leonel Brizola.

4 comentários:

  1. Creio que temos que reformular toda a nossa opinião pública acerca do assunto, pois só assim poderemos nos ver realmente livres das verdadeiras raposas sorrateiras.

    ResponderExcluir
  2. Olá Vitor! Encontrei seu blog por acaso na internet na semana passada. Acabei lendo alguns de seus posts, os quais achei em geral muito interessantes. Acabei lendo com atenção especial esse relato sobre sua experiência no Regimento Ipiranga. (em especial porque namorei por 12 anos um rapaz de São José dos Campos, o que me fez conhecer um pouco da região do Vale do Paraíba, a qual mantenho até hoje grande carinho e admiração). Fiquei extremamente chocada com a parte dos veículos da SUPRA desfilando por Taubaté! Seria essa SUPRA aquele órgão criado por João Goulart e seus amigos comunistas? Isso significa que haviam comunistas tentando invadir terras na região? Meu Deus, que coisa assustadora! Fiquei chocada, e ao mesmo tempo muito interessada pela história do Regimento depois de ler seus relatos. Você me indicaria algum livro sobre o tema? Sem mais, parabéns pelo Blog e parabéns por ser um dos grandes heróis da Revolução de 1964, que combateram com bravura o perigo comunista que assombrava nosso país.

    ResponderExcluir
  3. Oi Patricia! Que bom que leu e comentou esse Artigo. Como você viu, também sou do Vale do Paraiba, nascido no Quiririm, e muito me orgulho disso. A SUPRA, sim era o Órgão criado pelo João Goulart, só que estava a serviço dos comunistas, que achavam que conseguiriam tomar o poder, creio.Quanto ao 6o RI, sei que tomou parte na 2a Guerra Mundial, por isso, tem história, que hoje, com a ajuda da Internet, você poderá conseguir informações.A Biblioteca do Exército, tem muitas publicações a respeito. E obrigado pelo heroismo, mas não foi preciso entrar em combate! Ainda bem , rsss!

    ResponderExcluir
  4. Eu concordo plenamente com você, Caro amigo Nani! Já pensou numa Grande Bolívia?

    Manter sempre a vigilância...!

    Angélica

    ResponderExcluir

Seu comentário é o que torna especial esta postagem. Enriquece extraordinariamente o conteúdo!
Lembrando Saint Éxupery:"Aqueles que passam por nós, não vão sós. Não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós".
Obrigado pela visita!
Abraços!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. AVISO LEGAL Todos os direitos reservados. Esta coletânea de textos e imagens são propriedades do autor e estão protegidos por direitos de propriedade intelectual, que não podem ser utilizados em qualquer meio ou formato sem a autorização do autor. Vitorio Nani - 12/06/2010.